Orquestra Gulbenkian Concerto de Aranjuez

Praça do Comércio
3 Junho, 22h

A Orquestra Gulbenkian junta-se às Festas de Lisboa para oferecer à cidade um concerto único, com convidados de luxo, que evocam os grandes compositores da América latina no ano em que a cidade é Capital Ibero-americana da Cultura.

Pablo Sáinz Villegas, unanimemente considerado um dos mais proeminentes guitarristas da sua geração e frequentemente apelidado de “alma da guitarra espanhola” tocará pela primeira vez com a Orquestra Gulbenkian, interpretando o histórico Concerto de Aranjuez, uma obra para violão clássico e orquestra da autoria do compositor espanhol Joaquín Rodrigo.

Escrita no princípio de 1939 em Paris, esta peça é seguramente o trabalho mais conhecido do compositor espanhol. Trata-se da primeira obra de Joaquín Rodrigo escrita para guitarra e orquestra, tendo conferido ao compositor o reconhecimento internacional.

Para além do Concerto de Aranjuez, o repertório deste espetáculo viaja por outras sonoridades hispânicas e obras de compositores latino-americanos referenciais, como Arturo Márquez e Silvestre Revueltas. A soprano Eduarda Melo irá interpretar uma das Bachianas Brasileiras, uma das mais famosas obras de Heitor Villa-Lobos, nas quais este procurou estabelecer uma analogia singular, entre Bach – um dos seus fascínios da adolescência – e a música popular brasileira.

Na imponente Praça do Comércio, junto ao rio e ao ar livre, um concerto imperdível que assinala a grande abertura das Festas de Lisboa’17.

Entrada Livre

Aclamado como a “alma da guitarra espanhola”, Pablo Sáinz Villegas tornou-se uma sensação mundial ao ser considerado em vários meios como o melhor guitarrista da sua geração. Com um virtuosismo pontuado por uma “exuberância irresistível”, as suas interpretações evocam a paixão, os jogos e o drama da sua terra natal, Rioja, que lhe transmitiu uma rica herança musical. No ano passado, teve uma temporada florescente. Na próxima temporada, o guitarrista irá atuar pela primeira vez em salas emblemáticas de lugares tão distintos como Chicago, Pequim, Oslo ou Cidade de México. Mas antes de tudo isto, vem a Lisboa tocar num concerto único.

 

Eduarda Melo tem consolidado a sua carreira entre França e Portugal. Licenciou-se em Canto pela ESMAE, no Porto. Passou pelo Estúdio de Ópera da Casa da Música antes de iniciar uma carreira internacional no elenco do prestigiado CNIPAL, em Marselha. Desde então, tem vindo a interpretar um diversificado repertório de ópera, que inclui vários papéis de protagonista. No domínio da música contemporânea, participou na estreia da ópera A Little Madness in the Spring de António Pinho Vargas, em Paint Me de Luís Tinoco e nas obras A Montanha, Rapaz de Bronze e Livro de Florbela de Nuno Côrte-Real. Colaborou com maestros muito reconhecidos, tendo interpretado em concerto obras simbólicas como o Requiem de Mozart ou o Requiem de Brahms. Atua regularmente com os grupos Ludovice Ensemble e Divino Sospiro.

 

Em 2015, Rui Pinheiro assumiu o cargo de Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul. Depois de realizar os seus estudos musicais em Portugal e em Budapeste (piano e música de câmara), concluiu o Mestrado em Direção de Orquestra no Royal College of Music, em Londres. Dirige regularmente as principais orquestras portuguesas, incluindo a Orquestra Gulbenkian, a Sinfónica Portuguesa e a Metropolitana de Lisboa. Estreou-se no Teatro Nacional de São Carlos com a produção de La fille du régiment, de Donizetti. Internacionalmente destacam-se concertos com a Orquestra da Ópera Nacional do País Gales, a Orquestra Ion Dumitrescu (Roménia) e apresentações nos BBC-Proms Plus, no festival Vienna – City of Dreams (Philarmonia Orchestra) e no Barbican Centre, em Londres.